Notícias

Teste de Estanqueidade pode salvar vidas

O caso de intoxicação pela Cerveja Backer é um exemplo de como a negligência do Teste de Estanqueidade pode ser fatal

Um vazamento nos tanques de refrigeração da Cervejaria Backer causou a intoxicação de dezenas de consumidores e a morte de 7. O acontecimento revela o quanto a negligência do Teste de Estanqueidade pode matar.

Teste de Estanqueidade: o que é?

O Teste de Estanqueidade é a análise necessária para identificar a condição de equipamentos, ou seja, para verificar se eles se encontram em condições adequadas para uso. Essa análise é essencial para corrigir possíveis problemas e evitar acidentes.

Na análise, os equipamentos são avaliados por completos, objetivando identificar possíveis avarias, como furos e rachaduras, por exemplo. Esses pequenos problemas podem ser os responsáveis por causar graves acidentes.

Para tal análise, são realizados testes. Em alguns casos, possíveis furos podem ser resolvidos com a aplicação de resina. Mas caso a avaria seja maior, deve ocorrer a substituição do equipamento.

Teste de Estanqueidade x Caso Backer

No caso da Cervejaria Backer, a contaminação aconteceu em virtude de um pequeno furo – medindo pouco mais de 1mm – em um tanque de refrigeração.

O líquido refrigerante, utilizado no tanque, é tóxico e, devido ao vazamento, comprometeu a qualidade da cerveja, chegando até os consumidores finais e causando mortes.

Negligência na cervejaria foi decisiva para a contaminação

O Caso Backer é um exemplo trágico para compreender o quanto a negligência das normas de segurança pode ser fatal. O problema poderia ser evitado caso tivesse ocorrido inspeções.

Ao identificar avarias no reservatório, o uso do equipamento seria interrompido, evitando que o vazamento e, consequentemente, a contaminação, ocorressem.

De acordo com reportagem produzida pelo Fantástico, as inspeções realizadas nos tanques da cervejaria aconteciam de modo corretivo, ou seja, não havia investimento em inspeções preventivas.

CLIQUE AQUI e assista a matéria completa produzida pelo Fantástico e entenda mais detalhes sobre o caso.

Você sabia que a Ergonomia no trabalho aumenta a produtividade?

O investimento em Ergonomia no trabalho não é só “mais um”: garantindo a saúde dos colaboradores no ambiente de trabalho, a produtividade é impactada positivamente

Já sabemos que o trabalho é responsável por ocupar grande parte do nosso dia. Mas para não ocasionar impactos negativos à saúde da equipe, as medidas da ergonomia do trabalho são importantes.

Em uma empresa, a produtividade é um dos aspectos mais importantes. Afinal, é o bom desempenho dos funcionários que garante o desenvolvimento das atividades propostas. Consequentemente, a lucratividade do negócio é mantida.

Ergonomia no trabalho x Produtividade

Muitas vezes, a ergonomia no trabalho parece distante da produtividade e da lucratividade. Mas na prática, tais medidas são essenciais para garantir um ambiente seguro, saudável e que possibilite um bom desempenho da equipe.

Imagine uma empresa que não possui medidas de Ergonomia eficientes e atualizadas. Nesse caso, a ocorrência de doenças laborais entre a equipe é muito maior do que em outra empresa que dá a devida atenção à Ergonomia.

Para a empresa, funcionários adoecidos e afastamentos são questões que afetam diretamente a produtividade, já que a equipe se reduz. A equação é simples: funcionários saudáveis têm as devidas condições para desempenhar suas funções normalmente.

Já funcionários que não contam com medidas de Ergonomia estão sujeitos à problemas de saúde e afastamentos, comprometendo seu desempenho no ambiente de trabalho

É muito mais caro não investir em Ergonomia

A partir de exemplos simples, é possível compreender o quanto o investimento em Ergonomia é indispensável. Mas se você ainda têm dúvidas sobre as vantagens que essas medidas podem proporcionar, elencamos a seguir algumas delas.

Valorização da equipe

Como dito anteriormente, nós passamos grande parte do dia no trabalho. Com essa rotina extensa, as empresas que se importam com a saúde dos funcionários saem à frente: a ergonomia proporciona mais segurança à equipe, valorizando-a.

Ao trabalhar num ambiente seguro, os colaboradores se sentem muito mais valorizados e reconhecidos. A adoção à medidas de Ergonomia é um ciclo: as medidas geram bons resultados para todos, desde a satisfação dos funcionários à lucratividade da empresa.

Afasta doenças laborais

Dores crônicas, tendinites, Lesão por Esforço Repetitivo (LER)… o ambiente de trabalho pode trazer diversos riscos para os funcionários, desde problemas mais simples à doenças mais graves.

Nesse sentido, para afastar doenças, a empresa deve investir em equipamentos e recursos que estejam de acordo à Ergonomia, como cadeiras adequadas, mesas e balcões bem ajustados e EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual (dependendo da função exercida).

Um ambiente saudável é o segredo para garantir a produtividade

Instruir a equipe e incentivar as práticas da Ergonomia do Trabalho é imprescindível para, além de estar de acordo com as Normas Regulamentadoras, garantir a produtividade da sua empresa.

Gostou do conteúdo? Leia também:

Acidentes em home office: como minimizá-los?
Coronavírus x Saúde no trabalho

Acidentes em home office: como minimizá-los?

Trabalhar em casa é a principal alternativa que as empresas estão adotando para manter seus funcionários produtivos, mas há acidentes em home office que devem ser evitados

O trabalho remoto tem sido, neste momento de pandemia do Novo Coronavírus, um modelo adotado por muitas empresas. A medida é importante, pois não expõe os colaboradores à aglomerações, ao passo que não compromete a produtividade da equipe. Mas apesar de requisitado neste momento, o trabalho home office pode trazer alguns riscos ocupacionais.

Sim! Mesmo que os funcionários estejam trabalhando de casa, ainda há riscos de acidentes de trabalho. É neste momento que surgem inúmeras dúvidas e questões: como evitar um acidente em home office? Quais medidas a empresa deve tomar? O que é responsabilidade da instituição?

O empregador tem responsabilidade sobre o empregado em caso de trabalho home office

Para começo de conversa, é importante ter conhecimento de que, mesmo à distância, a saúde e o bem-estar dos colaboradores são de responsabilidade do empregador. Os funcionários devem ser instruídos sobre as melhores práticas para adotar em casa, a fim de evitar possíveis acidentes em home office.

É de responsabilidade da empresa, ainda, fornecer todos os equipamentos necessários para que a atividade seja desempenhada com eficiência.

Além disso, a jornada de trabalho dos funcionários deve ser definida e respeitada. Assim, a empresa tem mais controle sobre a jornada laboral dos colaboradores, reduzindo a possibilidade de acidentes em home office em virtude da exaustão.

Medidas de segurança evitam acidentes

O atendimento às normas de segurança é sempre o melhor caminho para garantir a integridade das equipes que trabalham tanto dentro, quanto fora da empresa.

Um exemplo é a NR 17, que traz valiosas contribuições e orientações sobre Ergonomia, proporcionando:

  • Altura e tamanhos corretos das mesas de trabalho;
  • Distância adequada dos monitores.

O que diz a legislação

De acordo com a legislação vigente, cabe ao empregador orientar o funcionário em relação às melhores práticas para adotar em home office. Possíveis custos em decorrência do trabalho remoto devem ser avaliados e acordados em conjunto.

Além das determinações das leis trabalhistas, a tecnologia pode ser uma aliada para manter contato com a equipe, entender os níveis de satisfação e promover ações para minimizar os acidentes em home office.

O trabalho em home office traz vantagens

O trabalho remoto é vantajoso para as empresas. Em casa, o colaborador não gera custos com deslocamento, insumos, espaço, água, etc. É criada uma nova rotina na instituição que, apesar dos riscos, pode ser muito benéfica para todos.

Por isso, se a sua instituição aderiu o trabalho remoto nesta quarentena, fique atento para garantir a integridade e a saúde dos colaboradores.

Gostou? Clique aqui e leia sobre inovação em segurança do trabalho!

Coronavírus x Saúde no trabalho

Com o aumento de casos de Coronavírus no Brasil, é preciso tomar medidas para garantir que a saúde no trabalho não seja comprometida

O Covid-19, conhecido, também, como Coronavírus, deve ser combatido não só pela população, mas também pelas empresas. Há medidas específicas para coibir a disseminação do Coronavírus, que pode trazer inúmeros problemas em relação à saúde como um todo.

Nesse cenário, há condutas que a sua empresa deve seguir para garantir que a equipe de colaboradores esteja longe dos riscos do coronavírus.

Garantir a limpeza do ambiente

Uma das formas de transmissão do Coronavírus, de acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS, é através de contato. O toque à superfícies infectadas é um caminho para a contaminação.

Por esse motivo, é importante redobrar a limpeza, objetivando eliminar uma possível presença do vírus. Objetos de uso comum – como maçanetas e telefones, por exemplo – também devem ser higienizados com periodicidade.

Além da higienização de dependências coletivas, é de extrema importância incentivar que os colaboradores higienizem seus EPIs.

Oferecer álcool gel

É recomendada a distribuição de álcool gel 70%, a fim de tornar a higienização das mãos mais simples e imediata.

Além de álcool gel, os banheiros devem estar abastecidos de sabão e água, já que esses produtos possuem eficácia equivalente ao álcool.

Trabalho remoto

Caso seja possível, é prudente permitir que a equipe trabalhe remotamente, ou seja, sem precisar se deslocar à sede da empresa. Essa atitude evita o deslocamento, restringindo o contato com pessoas possivelmente infectadas pelo Covid-19.

Afastamento em caso de sintomas

Caso um funcionário apresente os sintomas do Covid-19, o mesmo deve ser afastado a fim de preservar a saúde da equipe. Os principais sintomas da doença são:

  • Febre;
  • Tosse;
  • Coriza (corrimento nasal);
  • Dor de garganta intensa;
  • Dificuldade respiratória.

O Governo Federal recomenda que, para evitar idas desnecessárias aos hospitais, que o cidadão com sintomas ligue para o SUS (número 136). Após essa triagem, serão dadas orientações de como prosseguir.

A transmissão da doença se dá, também, pelo ar através da fala, do espirro e da tosse. Por isso é recomendado o distanciamento de pessoas com os sintomas.

Funcionários que viajaram em quarentena

Funcionários que viajaram recentemente devem ser afastados imediatamente. A recomendação é de uma quarentena com 14 dias de duração, podendo ser estendida devido ao quadro clínico.

Lembre-se: a responsabilidade de combater o Coronavírus é coletiva. Por isso é importante atentar-se às recomendações dos órgãos de saúde e garantir que a saúde dos funcionários não seja comprometida.

Segurança do trabalho em hospitais

A segurança do trabalho em hospitais e similares é necessária para minimizar riscos ocupacionais diversos

Identificar e mapear estes riscos é uma tarefa fundamental para tomar as medidas de prevenção e segurança no trabalho

Riscos Biológicos – Os mais famosos!

Ao falar em ambientes hospitalares, os riscos de contaminação biológicas são os primeiros a vir à mente! Os hospitais apresentam uma diversidade de fontes de contaminação biológica, como, por exemplo, por vírus e bactérias, por isso, todo o cuidado é pouco ao executar as tarefas que envolvam exposição a esse risco.

Ao manipular materiais perfurocortantes, como agulhas e seringas, o trabalhador deve tomar todo cuidado para não se acidentar e se contaminar involuntariamente com agentes biológicos. É importante a utilização de EPI’s adequados e treinamentos para garantir a preservação da saúde e segurança.

Riscos Ergonômicos – A bola da vez!

A Ergonomia ainda é novidade para muitos, pois foi negligenciada por muito tempo nos ambientes de trabalho, mas é tão importante tratar os riscos ergonômicos como os demais riscos ocupacionais, principalmente em ambientes hospitalares.

Os ambientes hospitalares possuem alto índice de risco ergonômico para os profissionais da saúde, e cada vez mais têm crescido as consequências de adoecimentos e afastamentos do trabalho relacionados aos riscos ergonômicos.

Os trabalhadores em hospitais estão expostos aos riscos ergonômicos de:

  • Transporte manual de pacientes e outras cargas;
  • Mobiliários inadequados;
  • Climatizações e iluminações deficientes;
  • Jornadas prolongadas sem pausas adequadas;
  • Fatores cognitivos de sobrecarga mental causadores de estresse e fadigas.

A análise ergonômica do trabalho é essencial para levar medidas de melhorias ergonômicas aos setores hospitalares e promover a melhoria de qualidade e conforto no trabalho.

Riscos Físicos e Químicos – Estão sempre presentes à sua maneira

Os riscos físicos e químicos são populares em diversos segmentos de trabalho, e estão presentes também nos ambientes hospitalares. Dos riscos físicos podemos encontrar:

  • O ruído, por exemplo, em salas de máquinas;
  • As radiações ionizantes presentes nas salas de exames de raio-x;
  • Os riscos químicos e a exposição partículas de substancias químicas que podem ser absorvidas pelo ser humano através de vias aéreas e de contato, e que conforme a proporção, são prejudiciais ao organismo.

Demais riscos físicos e químicos são levantados através da identificação e mapeamento descritos no programa de prevenção de riscos ambientais – PPRA. O trabalhador também deve utilizar os EPI’s adequados para estes riscos e ser capacitado e treinado.

Segurança do trabalho em hospitais minimiza riscos de acidentes diversos

O que é um acidente? Pode-se definir como algo inesperado, qualquer acontecimento, desagradável ou infeliz, que envolva dano, perda, sofrimento ou morte.

Nos ambientes hospitalares são diversos setores e departamentos, e cada um pode apresentar riscos de acidentes que devem ser mapeados e controlados os fatores de perigo.

Já falamos sobre os acidentes perfurocortantes. Essa é uma das principais ocorrências das quais os trabalhadores da saúde devem observar, mas podem citar também quedas e escorregões, lesões, explosões de caldeiras, incêndios, cortes e fraturas com máquinas e equipamentos, dentre outros.

Para evitar acidentes, o cumprimento às diversas normas regulamentadoras deve ser priorizado, pois cada uma tem seu enfoque.

Há, em hospitais, máquinas e equipamentos que devem estar adequadas à NR 12 – Máquinas e Equipamentos; há os equipamentos de autoclave, boilers e caldeiras que devem estar em conformidade à NR 13 – Vasos de Pressão e Caldeiras. Os prédios e a infraestrutura devem estar protegidos com sistema de combate a incêndio, além de boas condições para o trabalho.

Por fim, há a norma NR 32 – Segurança E Saúde No Trabalho Em Serviços De Saúde, que oferece diversas diretrizes para promover a segurança do trabalho em hospitais.

Entre em contato com a Projetecno e coloque em dia as inspeções e treinamentos em segurança do trabalho em hospitais!

Segurança do trabalho em supermercados

Entenda os procedimentos adotados na segurança do trabalho em supermercados

Você sabia que supermercados também oferecem risco e perigos de acidentes no trabalho? Em supermercados e atacadistas devem ser tomadas ações de prevenção e controle de risco para preservação a saúde e segurança de seus trabalhadores, pois são diversos os riscos ocupacionais presentes nesses estabelecimentos.

Além de fiscalizações da Vigilância Sanitária, esses setores estão sujeitos à fiscalizações trabalhistas em prol de averiguação das condições de trabalho e cumprimento de normas de saúde e segurança no trabalho.

Confira alguns dos principais riscos ocupacionais em supermercados.

Temperaturas extremas

É comum, no setor supermercadista, que trabalhadores acessem câmaras frias. Devido ao frio ser um elemento nocivo à saúde, os supermercados devem dar a devida atenção a esse risco, evitando o adoecimento e a ocorrência de acidentes de trabalho.

Para ter acesso às câmaras frias, os empregados devem estar treinados e utilizar equipamentos de proteção específicos para o agente frio. Além disso, no caso dos trabalhadores que movimentam mercadorias do ambiente quente ou normal para o frio e vice-versa, deve ser fornecido um intervalo para recuperação térmica.

Segurança do trabalho em supermercados: condições ergonômicas

Um dos riscos mais presentes em supermercados são os riscos ergonômicos. Diversas atividades desenvolvidas em supermercados, sem o controle dos riscos ergonômicos, podem levar ao aparecimento das famosas LER e DORT’s, que são as doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho, além de outros afastamentos dos aspectos cognitivos.

Os operadores de caixa também possuem demandas ergonômicas importantíssimas. Possuem até um anexo especial na NR 17 de Ergonomia, tratando dos riscos ergonômicos e controles obrigatórios para esta função.

São várias as recomendações presentes na NR 17 para os operadores de caixa. Esses profissionais devem possuir:

  • Mobiliários e equipamentos adequados com regulagens de altura;
  • Apoio para os segmentos corporais;
  • Controle da carga manipulada manualmente;
  • Organização de jornadas com pausas para descanso;
  • Condições ambientais favoráveis ao trabalho.

Nos armazéns e estoques dos supermercados, a atenção deve ser redobrada, especialmente com o levantamento e transporte de forma manual de cargas, optando por utilização de meios mecanizados para manuseio de cargas e materiais. 

A análise ergonômica do trabalho atua na minimização e eliminação desses riscos.

Acidentes em geral

Com acidentes do trabalho, todo o cuidado é pouco. Em supermercados, há inúmeros tipos de acidentes, que podem em gravidade de baixa à alta.

  • Cortes com a faca e serra de fita em açougues;
  • Quedas devido ao chão molhado;
  • Queimaduras na padaria;
  • Quedas em altura;
  • Lesões por transporte de peso excessivo;
  • Choque elétrico;
  • Acidentes com transporte de cargas através de empilhadeiras;
  • Acidentes devido a layout inadequado.

A gestão dos riscos pode ser feita através do uso de diversas técnicas de identificação e análise de riscos, permitindo a atuação na eliminação e ou minimização da exposição dos trabalhadores a situações inseguras e inadequadas. 

Através da gestão dos riscos são tomadas decisões de controle, definição de usos de equipamentos de segurança individuais e coletivos, fornecimento de treinamentos de segurança aos colaboradores.

Investir em segurança do trabalho em supermercados é uma estratégia eficaz, que:

  • Melhora a produtividade;
  • Reduz as taxas de absenteísmos;
  • Reduz a insatisfação dos trabalhadores;
  • Promove um ambiente com melhor qualidade de vida no trabalho.

Leia também: Alcoa aumenta seu lucro em 5 vezes ao investir em segurança do trabalho

5 dicas para lidar com vasos de pressão

Na indústria, os vasos de pressão estão presentes armazenando fluidos gasosos e líquidos

Os vasos de pressão são reservatórios que armazenam fluidos à uma pressão interna diferente da ambiente. A diferença entre esse equipamento e uma caldeira, por exemplo, é o fato de ele não possuir chama em seu interior.

Em virtude dos grandes riscos de operação, a utilização dos vasos de pressão deve alinhar-se às normas de segurança definidas nas regulamentações – como a Norma Regulamentadora 13 (NR 13), por exemplo. A técnica neutraliza o risco aos colaboradores, evitando explosões e outros problemas estruturais.

Veja a seguir algumas práticas básicas para lidar com os vasos de pressão e garantir a segurança do trabalho.

Atente-se à pressurização dos vasos de pressão

Antes de afrouxar ou soltar as conexões de um vaso é necessário verificar se o equipamento se encontra despressurizado. Caso ele seja solto em modo de pressurização, pode ocorrer uma explosão.

Os vasos de pressão funcionam similarmente à uma panela de pressão: é preciso liberar o ar antes de abrir o equipamento.

Verifique a pressão de trabalho/operação

O operador responsável deve incluir na rotina o hábito de aferir a pressão de trabalho/operação do equipamento. Os vasos de pressão possuem placas de identificações que especificam tais informações.

As manipulações devem ser registradas

De acordo com a NR 13, os vasos de pressão devem possuir um livro de registro. Nesse documento devem ser anotadas todas as ocorrências que competem ao equipamento, como:

  • Manutenções;
  • Inspeções;
  • Trocas;
  • Aferições de segurança.

Atente-se à espessura da parede

Devido à corrosão, a espessura da parede do equipamento poderá sofrer alterações – quando o vaso é fabricado em aço comum ao carbono. Por esse motivo, são necessárias medições de espessura através de Ensaio Não Destrutivo.

Caso os valores estejam em desacordo com os valores seguros, o vaso deve ser substituído ou reparado para evitar falhas de execução.

As atividades devem ser interrompidas em caso de alterações físicas

Deformações externas, trincas e bolhas são sinais de problemas. Caso sejam notadas alterações físicas, as atividades devem ser interrompidas imediatamente, esvaziando-os. Nesse caso uma inspeção rigorosa deverá ser realizada.

Conte com a Projetecno para colocar em dia as inspeções de segurança em sua empresa. Nossa equipe é capacitada acerca das normas regulamentadoras para proporcionar, assim, maior segurança à sua empresa.

Vantagens de fazer inovação em segurança do trabalho

A inovação em segurança do trabalho é capaz de proporcionar o aprimoramento dos processos preventivos

As tecnologias estão chegando em todos os lugares e na segurança do trabalho não é diferente. A forma de desempenhar as funções está mudando com o passar do tempo e os processos preventivos precisam acompanhar tais transformações.

Não é em vão que as grandes corporações investem em inovação em seus processos. Com a grande competitividade do mercado, atualizar-se é importante para crescer. Quem não percebe a necessidade de investir em inovação corre o risco de ficar para trás.

A inovação em segurança do trabalho proporciona mais qualidade de vida para os colaboradores

Uma das principais vantagens da inovação em segurança do trabalho é a melhor qualidade de vida dos colaboradores. A tranquilidade de poder desempenhar funções de forma segura garante a qualidade de vida dos trabalhadores, que permanecem longe dos riscos.

A inovação é capaz de propor tecnologias mais eficientes para reduzir o estresse ocupacional e, assim, beneficiar toda equipe.

Inovar não é uma tarefa que acontece do dia para a noite, mas o incentivo à uma cultura de inovação é um ótimo estímulo para capacitar a equipe. Assim, as habilidades pessoais são desenvolvidas, elevando ainda mais o nível de segurança.

Clique aqui e baixe o ebook das Alterações da NR 12!

Colaboradores crescem, empresa cresce

A inovação em segurança do trabalho é positiva para os colaboradores, mas agrega positivamente também às empresas. Com uma equipe mais capacitada é possível atingir grandes resultados.

A inovação torna a rotina mais fluida, aperfeiçoando os procedimentos de segurança já existentes na empresa. Dessa maneira, as possíveis falhas são corrigidas com precisão.

Garantir inovação em segurança do trabalho é um investimento importante. A redução dos acidentes e a valorização dos colaboradores são pautas que não podem ser adiadas. A segurança do trabalho é uma grande responsabilidade.

Garanta um 2020 de inovação em segurança do trabalho

A Projetecno possui uma equipe preparada para garantir as melhores soluções em segurança do trabalho, com treinamentos e inspeções de equipamentos. Comece 2020 com o pé direito, capacitando a equipe e garantindo a segurança dos equipamentos.

Alterações da NR 12: item a item – Parte 02

Confira as alterações da NR 12, mudanças propostas pelo Governo Federal e já em vigor

Clique aqui e confira as alterações anteriores ao item 12.4.8

12.4.8 (antiga 12.31)

Inclusão da palavra possibilidade para reforçar o bloqueio em cada ponto do seletor. •12.4.13.1.1 (Inclusão) – Outra medida de proteção contra choques elétricos pode ser adotada, desde que atendas as normas técnicas oficiais vigentes. •12.4.14 (antiga 12.37) – Alteração das alíneas “a”, “b” e “c”; e exclusão da alínea “d”.

12.4.14 (antiga 12.37) – Alíneas: a) possuir estrutura redundante; b) permitir que as falhas que comprometem a função de segurança sejam monitoradas; e c) ser adequadamente dimensionado de acordo com o estabelecido pelas normas técnicas oficiais ou pelas normas internacionais aplicáveis.

12.4.14.1 (antiga 12.37.1) – Deixa de mencionar as alíneas e inclui alteração da portaria nº 1083/2019 que permite a parada instantânea desde que não acarrete em riscos.

12.5.1 (antiga 12.38) – 12.5 Sistema de Segurança – Substitui a palavra garantam por resguardem.

12.5.1.1 (Inclusão) – Diz que distância mínima devem seguir as normas técnicas e retira o texto do anexo I.

12.5.2 (antiga 12.39) – Alteração das alíneas “a”, “d” e “e”; “a”

Substitui prévia análise de risco por apreciação de risco; “d” – neutralizados ou burlados passa a ser dificulte a burla; e “e” – inclui no texto se indicado pela apreciação de risco.

12.5.2.1 (Inclusão) – Definição de profissionais que podem fazer a instalação do sistema de segurança: “deve ser realizada por profissional legalmente habilitado ou profissional qualificado ou capacitado”.

12.42 (Item antigo) – Foi realocado no glossário.

12.5.2 (antiga 12.39) – Alteração das alíneas “a”, “d” e “e”; “a” – substitui prévia análise de risco por apreciação de risco; “d” – neutralizados ou burlados passa a ser dificulte a burla; e “e” – inclui no texto se indicado pela apreciação de risco.

12.5.6 (antiga 12.44) – Substitui uma ou mais vezes por mais de uma vez para falar de proteções móveis requeridas diversas vezes por turnos de trabalho.

12.5.6.1 (Inclusão) – Permite ligação em série de dispositivos de intertravamento de diferentes proteções móveis desde que atendam a ISO/TR24.119.

12.5.9 (antiga 12.47) – Agora as transmissões de forças devem ser protegidas somente se oferecerem risco.

12.5.9.2, 12.5.11 e 12.5.16 – Apresentam pequenas mudanças no texto para sua melhoria, como retirada do perfeito estado de conservação, alínea “g” dificulte-se a burla e são partes integrantes respectivamente.

12.5.17 (Antigo 12.55) – Acrescenta-se que os projetos devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado.

12.6.1.2 (Antigo 12.56.2) – Retirada das máquina manuais e inclusão das alíneas “a” e “b” destacando as máquinas que devem atender a condição de parada de emergência do item 12.6.1.

12.6.3 (antiga 12.58) – Retirada a alínea “g” pois conteúdo está abordado na alínea “f”.

Itens do 12.64 a 12.76.1 (NR antiga)

Capitulo sobre Meios de Acesso foi transferido para anexo III e atualizado conforme ISO/TR 14.122.

12.7.8 (Antigo 12.84.1) – Alteração do texto que inclui a energia de 10J (dez Joules) para aplicação de força das parte móveis. Portaria nº 252/2018.

12.7.8.1 (Antigo 12.84) – Que trata dos sistemas hidráulicos e pneumáticos devem obedecer as forças descritas em 12.7.8. Portaria nº 252/2018.

Baixe o eBook das Alterações da NR 12 e fique por dentro de todos os detalhes da norma.

Alcoa aumenta seu lucro em 5 vezes ao investir em segurança do trabalho

A global Alcoa é um exemplo de sucesso de como investir em segurança do trabalho é importante para aumentar o faturamento

Ainda há empresas que veem a segurança do trabalho apenas como um gasto , e esta é uma visão completamente equivocada. A Alcoa é um dos casos que mostram o quanto as medidas de segurança são importantes não só para garantir qualidade de vida aos colaboradores, mas para aumentar o faturamento da empresa.

Muitas vezes o desejo de fazer com que a empresa cresça incentiva a busca por alternativas complexas e distantes. Mas com medidas de segurança em dia, a Alcoa aumentou em 5 vezes o seu faturamento.

O pioneirismo da Alcoa

A Alcoa é uma das maiores empresas de alumínio do mundo. Atualmente sua receita ocupa a casa dos 30 mil dólares, mas esse cenário não existe desde sempre em sua trajetória.

Na década de 80, enfrentando uma complexa crise econômica, a empresa anunciou a chegada de um novo CEO. Pouco conhecido no meio empresarial, O’Neill causou dúvida e preocupação aos investidores. Ao invés de propor um novo plano de negócios focado apenas em retomada de mercado através do lucro, pensou diferente.

Alterações da NR 12 – BAIXE GRÁTIS!]

Investir em segurança do trabalho: A virada de chave na trajetória da Alcoa

Em seu primeiro discurso como CEO da Alcoa, O’Neill mostrou dados sobre segurança do trabalho na empresa, que registrava ao menos um acidente por semana. O plano de O’Neill era adotar medidas preventivas, que neutralizassem os danos causados por acidentes ocupacionais. Assim:

  • Os funcionários teriam autonomia para interromper a linha de produção quando o ritmo ficava difícil;
  • Os funcionários poderiam propor manutenções preventivas quando achassem necessário;
  • Os sindicatos estariam cada vez mais próximos;
  • Investir em segurança do trabalho passaria a ser um hábito e não uma atividade desimportante;
  • Facilitar a comunicação entre a diretoria e os colaboradores.

Tais medidas se tornaram a cultura da Alcoa: diminuindo os acidentes, aumentando a produtividade e, consequentemente, o lucro. Investir em segurança do trabalho se tornou, realmente, um investimento, já que gerava inúmeros benefícios.

Inspire-se na Alcoa!

Invista em segurança do trabalho, garanta qualidade de vida para seus funcionários e aumente o lucro da sua empresa! Entre em contato conosco e saiba por onde começar!