Segurança do trabalho em hospitais

A segurança do trabalho em hospitais e similares é necessária para minimizar riscos ocupacionais diversos

Identificar e mapear estes riscos é uma tarefa fundamental para tomar as medidas de prevenção e segurança no trabalho

Riscos Biológicos – Os mais famosos!

Ao falar em ambientes hospitalares, os riscos de contaminação biológicas são os primeiros a vir à mente! Os hospitais apresentam uma diversidade de fontes de contaminação biológica, como, por exemplo, por vírus e bactérias, por isso, todo o cuidado é pouco ao executar as tarefas que envolvam exposição a esse risco.

Ao manipular materiais perfurocortantes, como agulhas e seringas, o trabalhador deve tomar todo cuidado para não se acidentar e se contaminar involuntariamente com agentes biológicos. É importante a utilização de EPI’s adequados e treinamentos para garantir a preservação da saúde e segurança.

Riscos Ergonômicos – A bola da vez!

A Ergonomia ainda é novidade para muitos, pois foi negligenciada por muito tempo nos ambientes de trabalho, mas é tão importante tratar os riscos ergonômicos como os demais riscos ocupacionais, principalmente em ambientes hospitalares.

Os ambientes hospitalares possuem alto índice de risco ergonômico para os profissionais da saúde, e cada vez mais têm crescido as consequências de adoecimentos e afastamentos do trabalho relacionados aos riscos ergonômicos.

Os trabalhadores em hospitais estão expostos aos riscos ergonômicos de:

  • Transporte manual de pacientes e outras cargas;
  • Mobiliários inadequados;
  • Climatizações e iluminações deficientes;
  • Jornadas prolongadas sem pausas adequadas;
  • Fatores cognitivos de sobrecarga mental causadores de estresse e fadigas.

A análise ergonômica do trabalho é essencial para levar medidas de melhorias ergonômicas aos setores hospitalares e promover a melhoria de qualidade e conforto no trabalho.

Riscos Físicos e Químicos – Estão sempre presentes à sua maneira

Os riscos físicos e químicos são populares em diversos segmentos de trabalho, e estão presentes também nos ambientes hospitalares. Dos riscos físicos podemos encontrar:

  • O ruído, por exemplo, em salas de máquinas;
  • As radiações ionizantes presentes nas salas de exames de raio-x;
  • Os riscos químicos e a exposição partículas de substancias químicas que podem ser absorvidas pelo ser humano através de vias aéreas e de contato, e que conforme a proporção, são prejudiciais ao organismo.

Demais riscos físicos e químicos são levantados através da identificação e mapeamento descritos no programa de prevenção de riscos ambientais – PPRA. O trabalhador também deve utilizar os EPI’s adequados para estes riscos e ser capacitado e treinado.

Segurança do trabalho em hospitais minimiza riscos de acidentes diversos

O que é um acidente? Pode-se definir como algo inesperado, qualquer acontecimento, desagradável ou infeliz, que envolva dano, perda, sofrimento ou morte.

Nos ambientes hospitalares são diversos setores e departamentos, e cada um pode apresentar riscos de acidentes que devem ser mapeados e controlados os fatores de perigo.

Já falamos sobre os acidentes perfurocortantes. Essa é uma das principais ocorrências das quais os trabalhadores da saúde devem observar, mas podem citar também quedas e escorregões, lesões, explosões de caldeiras, incêndios, cortes e fraturas com máquinas e equipamentos, dentre outros.

Para evitar acidentes, o cumprimento às diversas normas regulamentadoras deve ser priorizado, pois cada uma tem seu enfoque.

Há, em hospitais, máquinas e equipamentos que devem estar adequadas à NR 12 – Máquinas e Equipamentos; há os equipamentos de autoclave, boilers e caldeiras que devem estar em conformidade à NR 13 – Vasos de Pressão e Caldeiras. Os prédios e a infraestrutura devem estar protegidos com sistema de combate a incêndio, além de boas condições para o trabalho.

Por fim, há a norma NR 32 – Segurança E Saúde No Trabalho Em Serviços De Saúde, que oferece diversas diretrizes para promover a segurança do trabalho em hospitais.

Entre em contato com a Projetecno e coloque em dia as inspeções e treinamentos em segurança do trabalho em hospitais!

Segurança do trabalho em supermercados

Entenda os procedimentos adotados na segurança do trabalho em supermercados

Você sabia que supermercados também oferecem risco e perigos de acidentes no trabalho? Em supermercados e atacadistas devem ser tomadas ações de prevenção e controle de risco para preservação a saúde e segurança de seus trabalhadores, pois são diversos os riscos ocupacionais presentes nesses estabelecimentos.

Além de fiscalizações da Vigilância Sanitária, esses setores estão sujeitos à fiscalizações trabalhistas em prol de averiguação das condições de trabalho e cumprimento de normas de saúde e segurança no trabalho.

Confira alguns dos principais riscos ocupacionais em supermercados.

Temperaturas extremas

É comum, no setor supermercadista, que trabalhadores acessem câmaras frias. Devido ao frio ser um elemento nocivo à saúde, os supermercados devem dar a devida atenção a esse risco, evitando o adoecimento e a ocorrência de acidentes de trabalho.

Para ter acesso às câmaras frias, os empregados devem estar treinados e utilizar equipamentos de proteção específicos para o agente frio. Além disso, no caso dos trabalhadores que movimentam mercadorias do ambiente quente ou normal para o frio e vice-versa, deve ser fornecido um intervalo para recuperação térmica.

Segurança do trabalho em supermercados: condições ergonômicas

Um dos riscos mais presentes em supermercados são os riscos ergonômicos. Diversas atividades desenvolvidas em supermercados, sem o controle dos riscos ergonômicos, podem levar ao aparecimento das famosas LER e DORT’s, que são as doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho, além de outros afastamentos dos aspectos cognitivos.

Os operadores de caixa também possuem demandas ergonômicas importantíssimas. Possuem até um anexo especial na NR 17 de Ergonomia, tratando dos riscos ergonômicos e controles obrigatórios para esta função.

São várias as recomendações presentes na NR 17 para os operadores de caixa. Esses profissionais devem possuir:

  • Mobiliários e equipamentos adequados com regulagens de altura;
  • Apoio para os segmentos corporais;
  • Controle da carga manipulada manualmente;
  • Organização de jornadas com pausas para descanso;
  • Condições ambientais favoráveis ao trabalho.

Nos armazéns e estoques dos supermercados, a atenção deve ser redobrada, especialmente com o levantamento e transporte de forma manual de cargas, optando por utilização de meios mecanizados para manuseio de cargas e materiais. 

A análise ergonômica do trabalho atua na minimização e eliminação desses riscos.

Acidentes em geral

Com acidentes do trabalho, todo o cuidado é pouco. Em supermercados, há inúmeros tipos de acidentes, que podem em gravidade de baixa à alta.

  • Cortes com a faca e serra de fita em açougues;
  • Quedas devido ao chão molhado;
  • Queimaduras na padaria;
  • Quedas em altura;
  • Lesões por transporte de peso excessivo;
  • Choque elétrico;
  • Acidentes com transporte de cargas através de empilhadeiras;
  • Acidentes devido a layout inadequado.

A gestão dos riscos pode ser feita através do uso de diversas técnicas de identificação e análise de riscos, permitindo a atuação na eliminação e ou minimização da exposição dos trabalhadores a situações inseguras e inadequadas. 

Através da gestão dos riscos são tomadas decisões de controle, definição de usos de equipamentos de segurança individuais e coletivos, fornecimento de treinamentos de segurança aos colaboradores.

Investir em segurança do trabalho em supermercados é uma estratégia eficaz, que:

  • Melhora a produtividade;
  • Reduz as taxas de absenteísmos;
  • Reduz a insatisfação dos trabalhadores;
  • Promove um ambiente com melhor qualidade de vida no trabalho.

Leia também: Alcoa aumenta seu lucro em 5 vezes ao investir em segurança do trabalho

Ergonomia: saiba tudo a respeito!

Entender a relação entre o homem e as máquinas é papel da Ergonomia, mas sua importância, hoje, vai além

O mundo do trabalho vem crescendo e se transformando. Com tais mudanças, as máquinas, cada vez mais, vem integrando a vida das pessoas. Mas esta relação não é tão simples. É preciso entender o papel do trabalho, suas contribuições e impactos na vida do trabalhador moderno.
Leia também:

É neste campo que a Ergonomia se instala. Ela é uma prática da segurança do trabalho, que visa entender os impactos da rotina do trabalhador. Esta ciência é extremamente importante para garantir qualidade de vida aos colaboradores.
ergonomia-o-que-é

Aonde a ergonomia intervém?

Os estudos e intervenções da ergonomia se relacionam com diversos aspectos do trabalho. A postura de um funcionário durante a sua atividade profissional é um dos interesses desta ciência. Além disto, são observadas:

  • Movimentos corporais efetuados;
  • Fatores físicos ambientais que enquadram o trabalho;
  • Manuseio de objetos;
  • Equipamentos utilizados no trabalho, desde computadores até máquinas industriais.

Ou seja, o estudo se interessa por todos os assuntos relacionados a saúde física do trabalhador no desempenho de sua função.
ergonomia-o-que-é

A importância da ergonomia

Pensar na relação das pessoas com as necessidades do cotidiano é a chave para compreender o papel da ergonomia. Sua importância não está somente no ambiente industrial.
Com o passar dos anos, esta ciência começou a se estender por muitas outras áreas. Hoje o desenvolvimento de produtos é estritamente estruturado de acordo com os padrões ergonômicos. Um teclado de computador é projetado para garantir maior conforto. O banco de um carro é produzido para evitar dores na coluna. Os ícones de um smartphone são desenvolvidos para melhoras a usabilidade do usuário.
Estes são alguns exemplos da ergonomia presente no cotidiano.

Nas empresas

O investimento das empresas em ergonomia influencia positivamente na produtividade e na saúde dos funcionários. Por consequência, a qualidade das tarefas entregues é maior e o número de afastamentos também é diminuído.

Ou seja, o estudo ergonômico só traz benefícios para a saúde do trabalhador e para a instituição como um todo.

Ergonomia: saiba tudo a respeito!

Entender a relação entre o homem e as máquinas é papel da Ergonomia, mas sua importância, hoje, vai além

O mundo do trabalho vem crescendo e se transformando. Com tais mudanças, as máquinas, cada vez mais, vem integrando a vida das pessoas. Mas esta relação não é tão simples. É preciso entender o papel do trabalho, suas contribuições e impactos na vida do trabalhador moderno.
Leia também:

É neste campo que a Ergonomia se instala. Ela é uma prática da segurança do trabalho, que visa entender os impactos da rotina do trabalhador. Esta ciência é extremamente importante para garantir qualidade de vida aos colaboradores.
ergonomia-o-que-é

Aonde a ergonomia intervém?

Os estudos e intervenções da ergonomia se relacionam com diversos aspectos do trabalho. A postura de um funcionário durante a sua atividade profissional é um dos interesses desta ciência. Além disto, são observadas:

  • Movimentos corporais efetuados;
  • Fatores físicos ambientais que enquadram o trabalho;
  • Manuseio de objetos;
  • Equipamentos utilizados no trabalho, desde computadores até máquinas industriais.

Ou seja, o estudo se interessa por todos os assuntos relacionados a saúde física do trabalhador no desempenho de sua função.
ergonomia-o-que-é

A importância da ergonomia

Pensar na relação das pessoas com as necessidades do cotidiano é a chave para compreender o papel da ergonomia. Sua importância não está somente no ambiente industrial.
Com o passar dos anos, esta ciência começou a se estender por muitas outras áreas. Hoje o desenvolvimento de produtos é estritamente estruturado de acordo com os padrões ergonômicos. Um teclado de computador é projetado para garantir maior conforto. O banco de um carro é produzido para evitar dores na coluna. Os ícones de um smartphone são desenvolvidos para melhoras a usabilidade do usuário.
Estes são alguns exemplos da ergonomia presente no cotidiano.

Nas empresas

O investimento das empresas em ergonomia influencia positivamente na produtividade e na saúde dos funcionários. Por consequência, a qualidade das tarefas entregues é maior e o número de afastamentos também é diminuído.

Ou seja, o estudo ergonômico só traz benefícios para a saúde do trabalhador e para a instituição como um todo.

eSocial e Ergonomia: qual é a relação?

eSocial e Ergonomia: você conhece a importância dessa relação?

O eSocial é um sistema de registro desenvolvido pelo Governo Federal com o objetivo de tornar a transmissão de informações relativas aos funcionários mais simples e sem interrupções.
Leia também:

Como já dito, o eSocial é um sistema desenvolvido exclusivamente para fins empresariais. Estipula-se que ele reúna dados de mais de 40 milhões de trabalhadores. A exigência facilita a administração e desburocratiza a transmissão de dados.
O aumento de produtividade é uma das inúmeras vantagens proporcionadas pelo sistema. O processamento de dados, que antes significava um exercício demorado, com a novidade, se adequa à realidade de trabalho de cada empresa.

eSocial e Ergonomia: qual é a relação?

A Norma Regulamentadora relativa aos parâmetros da ergonomia é a NR 17, que estipula padrões para que o colaborador desempenhe suas tarefas buscando pelo conforto e saúde do trabalhador.
A Ergonomia se encontra na tabela 23 do eSocial relacionada com Fatores de Riscos do Meio Ambiente do Trabalho, e traz uma série de tipos de riscos relacionados nos domínios da ergonomia, como riscos biomecânicos, por exemplo, esforços intensivos, levantamento de peso, trata dos riscos relacionados as condições de mobiliário e equipamentos, dos riscos organizacionais como exemplo trabalho em turno noturno e monotonia, riscos ambientais relacionados as condições de conforto do ambiente e os riscos ligados ao domínio cognitivo/piscossociais, que são fatores como de estresse e sobrecarga mental no trabalho.
É necessário que seja feita uma Análise Ergonômica do Trabalho (AET), um documento que analisa, estuda e descreve sobre os riscos ergonômicos a que os trabalhadores estão sujeitos. O estudo deve propor, também, soluções para extinguir ou minimizar possíveis riscos do exercício da função.
esocial e ergonomia

eSocial e Ergonomia: os benefícios

Os benefícios para a equipe são inúmeros, como aumento da satisfação, de resultados, da produtividade e da qualidade de vida.
Além de positivo para os funcionários, o processo de registro é muito mais simples e livre de burocracias.
Saiba mais detalhes sobre o eSocial através dos manuais disponibilizados no portal oficial clicando aqui.

Móveis do posto de trabalho e Ergonomia

Confira qual é a relação entre móveis do posto de trabalho e Ergonomia.

As Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho datam de 1978 são muito jovens por se tratar de legislação que compreende todo âmbito federal, sim de ponta a ponta do Brasil.

Mas se pensarmos em termos de atualizações, será que houve uma reciclagem? Será que os textos e determinações acompanharam a evolução da tecnológica dos últimos anos?

 Para quem considera o Limite de Peso Recomendado o valor de 60 kg, baseado em manuseio de sacas de café, não parece estar muito atualizado.

Enquanto as normas não são revistas, vamos nos debruçar sobre o que temos no momento. Dessa forma vamos aproveitar esse post para resenhar sobre um importante item da NR 17, o que fala sobre os mobiliários dos postos de trabalho.

Texto da Norma Regulamentadora 17

17.3.1. Sempre que o trabalho puder ser executado na posição sentada, o posto de trabalho deve ser planejado ou adaptado para esta posição.

Uma avaliação importante que deve ser feita na determinação de utilizar ou não um banco semi sentado envolve a área de alcance, ou seja, se a atividade que está sendo analisada não estiver dentro de uma área onde o funcionário mantenha uma postura neutra quando estiver semi sentado, a melhor opção é realizar o trabalho de pé.

 Uma cadeira é completamente diferente de um banco semi sentado, vejo muitos profissionais indicarem ou um ou outro e errarem por não observarem a tarefa que está sendo executada como um todo, ou seja, olham a foto, mas esquecem de observar o filme.

17.3.2. Para trabalho manual sentado ou que tenha de ser feito em pé, as bancadas, mesas, escrivaninhas e os painéis devem proporcionar ao trabalhador condições de boa postura, visualização e operação e devem atender aos seguintes requisitos mínimos.

a) ter altura e características da superfície de trabalho compatíveis com o tipo de atividade, com a distância requerida dos olhos ao campo de trabalho e com a altura do assento;

Aqui o ideal é que bancadas e mesas de trabalho tenham ajustes para regular a altura conforme as características antropométricas dos usuários.

A regra geral é:

  • Para trabalho de precisão bancada localizada ao nível dos olhos, em alguns casos inclinada a 45°.
  • Para trabalho leve bancada localizada ao nível dos cotovelos.
  • Para trabalho pesado altura da linha da cintura.

b) ter área de trabalho de fácil alcance e visualização pelo trabalhador;

Com relação às áreas de trabalho, as regras gerais para respeitar as áreas de alcance tanto para os trabalhos realizados sentados como em pé são:

As atividades mais frequentes devem siturar-se dentro de um raio aproximado de 50 cm a partir da articulação entre os braços e ombros. Não é recomendado ultrapassar a distância de 75 cm.

c) ter características dimensionais que possibilitem posicionamento e movimentação adequados dos segmentos corporais.

Sob as mesas e bancadas deve haver espaço para acomodar as pernas. De forma geral pode-se adotar de 40 a 100 cm de distância da borda anterior do tampo da mesa até o fundo da mesma.

17.3.3. Os assentos utilizados nos postos de trabalho devem atender aos seguintes requisitos mínimos de conforto:

a) altura ajustável à estatura do trabalhador e à natureza da função exercida;

b) características de pouca ou nenhuma conformação na base do assento;

c) borda frontal arredondada;

d) encosto com forma levemente adaptada ao corpo para proteção da região lombar.

Na observação dos itens acima, a palavra mais adequada é a adaptação. Muitas empresas adotam cadeiras que atendem todos os itens, porém são confeccionadas em madeira. Nesse caso simplesmente trocar todas as cadeiras pode acarretar em um alto custo e tornar a adequação inviável.

 A adaptação pode ser feita estofando o assento e o encosto. Se essa for a opção, a dica é consultar a NBR 13.962:2006 que fala sobre cadeiras.

 Outra dificuldade é a interpretação quanto ao significado do (item b) características de pouca ou nenhuma conformação na base do assento.

O que é conformação na base do assento?

O assento deve permitir uma boa acomodação, porém as curvaturas não devem ser acentuadas.

17.3.4. Para as atividades em que os trabalhos devam ser realizados sentados, a partir da análise ergonômica do trabalho, poderá ser exigido suporte para os pés, que se adapte ao comprimento da perna do trabalhador.

É comum sair comprando suporte para os pés a torto e direito e após alguns dias os mesmos ficarem abandonados. Isso ocorre devido ao erro de indicação ou de aquisição.

Não é todo mundo que deve utilizar suporte para os pés, de forma geral esse dispositivo é indicado para pessoas com altura < 1.70 m. O mesmo deve possuir regulagens para juste da inclinação e a inclinação deve ser próximo a 45°.

17.3.5. Para as atividades em que os trabalhos devam ser realizados de pé, devem ser colocados assentos para descanso em locais em que possam ser utilizados por todos os trabalhadores durante as pausas.

Ser utilizados durante as pausas. O trabalho que deve ser realizado de pé, não deve possuir assento durante a execução das atividades. Pode parecer óbvio, mas de 10 situações como essa em 5 há erros de interpretação.

Referência: Ergotriade

Comitê de ergonomia – Por que sua empresa deve ter um?

Veja quais são os motivos para contar com um comitê de ergonomia.

As vantagens da aplicação de práticas ergonômicas nas empresas e para os trabalhadores são várias, assim como os motivos para adotar a ideia de contar com um comitê de ergonomia dentro das empresas, confira alguns dos principais. Mas se sua empresa ainda não iniciou, veja aqui qual o melhor momento para iniciar um trabalho de ergonomia. Depois volte para ver as vantagens de se ter um COERGO.

comite-de-ergonomia

Conquistar certificações:

As certificações são importantes no mundo empresarial, afinal, permitem indicar a colaboradores, clientes, fornecedores e parceiros que uma empresa obedece as “melhores práticas de gestão”, pelo menos da teoria, seja da qualidade, como no caso da ISO 9001, ambiental, como o caso da ISO 14001 ou na segurança do trabalho com a OHSAS 18.001.

Conquistar essas certificações pode exigir uma série de mudanças na forma como os gestores enxergam seu negócio e demonstram que nem sempre práticas consolidadas são as que produzem os melhores efeitos.

Entre as diversas exigências para retirar as certificações citadas acima e se destacar em um determinado segmento, é necessário contar com um Time de Ergonomia, uma vez que para atender as exigências dessas auditorias é preciso estar em dia com as demandas da ergonomia.

A multi interdisciplinaridade está na raiz da ergonomia:

A ergonomia nasce da junção de conhecimentos de áreas distinta sendo em sua essência uma ciência multi interdisciplinar. Não pode ser encaixada em rótulos como humanas, exatas ou biológicas.

Quando um comitê de ergonomia é implantado em uma empresa, contando com funcionários de diferentes setores e departamentos, a troca de experiências, vivências e práticas de cada um permitem que as práticas ergonômicas sejam aplicadas de maneira assertiva.

Afinal, se a ergonomia organizacional abrange o todo da organização do trabalho, nada melhor que trabalhar como esse todo.

Auxílio na manutenção de uma gestão eficiente:

As empresas que buscam aplicar uma gestão eficiente, conta com índices de desempenho que são monitorados em cada um dos seus departamentos.

As práticas ergonômicas podem contribuir para a melhora desses índices atuando assim de forma conjunta na identificação de problemas e soluções possíveis, mostrando que se trata mais do que apenas seguir normas e regulamentações escritas em um manual.

Da mesma forma a realização de auditorias internas é fundamental para manter a solidez das organizações, sendo que o Comitê de Ergonomia poderia direcionar essas auditorias.

Manter as análises ergonômicas atualizadas:

Imagine que uma indústria que trabalha com diferentes maquinários possui suas práticas ergonômicas consolidadas como ter as análises ergonômicas do trabalho em dia, conhecendo as diferenças entre o prescrito e o real, por exemplo, ou identificando os possíveis riscos ergonômicos envolvidos nesses processos.

Eis que um dia os gestores adquirem um maquinário novo, mais moderno, demandando um novo processo e consequentemente alterando as condições analisadas com o cenário anterior.

O Time de Ergonomia tomaria a frente na iniciativa de redefinir e divulgar as práticas de sistematização do programa de ergonomia, mantendo sempre a organização do trabalho de uma empresa atualizada com aquilo que foi definido como boas práticas por várias frentes da empresa: operadores, áreas de suporte, gestores, departamentos técnico.

Esses são alguns dos principias motivos pelos quais as empresas deveriam contar com um Time de Ergonomia, entendendo que essa é uma prática que vem a contribuir com a gestão de uma organização em seus diferentes níveis – top down ou down top – permitindo assim o alcance de resultados de excelência e sucesso.

Fonte: Ergotriade

Qual o melhor momento para iniciar um trabalho de ergonomia?

Confira qual é o melhor momento para iniciar um trabalho de ergonomia.

Na verdade o melhor momento não tem a ver com o tempo, uma data, um período do ano. Independente do ano fiscal, do provisionamento de budget, do CAPEX ou de outros fatores que possam influenciar na contratação de um serviço de ergonomia, se esse for o caso, existe o time certo.
É sobre este time e como colocar esta dica em prática para acelerar o processo ai na sua empresa que falamos neste post.

Ignorância

O primeiro momento é quando a empresa desconhece os RISCOS inerentes da sua operação. Qual o tamanho do risco que estamos assumindo e nem sabemos?

Mudança

Quando a empresa está passando por mudanças. Seja no início de uma linha, setor ou até mesmo uma planta do zero, ou quando a mudança envolve um processo existente.

Projeto

E o terceiro e mais importante é começar na fase de projeto, começar no software de simulação 3D, com um mockup, na prancheta ou no caderninho do He-Man que seja. É nesta fase que qualquer estudo, análise deveria começar.

Referência: Ergotriade

 

O que é LER e DORT?

Conheça as diferenças entre a LER e a DORT

A ergonomia organizacional, com seu campo de conhecimento multidisciplinar, atua nas empresas organizando o trabalho de forma que a atividade laboral esteja de acordo com as condições psicofisiológicas do funcionário, impactando assim diretamente na segurança do trabalho, saúde e bem estar do mesmo.
Sua importância fica ainda mais clara quando observamos que uma boa parte das doenças relacionadas ao trabalho tem relação com atividades repetitivas, como é o caso da famosa Lesão por Esforço Repetitivo (LER), que chegou a ser apontada como uma doença epidêmica devido ao seu vasto alcance mundial.

 

LER e DORT, há diferenças?

Diversos fatores podem levar ao comprometimento de estruturas dos tendões, estruturas musculares e ligamentos, no entanto, quando as causas desses problemas estão associadas a movimentos repetitivos em alta frequência, são realizados em postura incorreta, possui alta intensidade, não há tempo de adaptação e/ou recuperação adequada é então associada a Lesão por Esforço Repetitivo, antiga LER, que devido a sua importância permaneceu como LER/DORT.

 Em 1998 o INSS introduziu o termo DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionadosao Trabalho), conceituando-o como “lesões por esforços repetitivos como uma síndrome clínica caracterizada por dor crônica, acompanhada ou não de alterações objetivas (…) em decorrência do trabalho, podendo afetar tendões, músculos e nervos periféricos” (Ordem de Serviço nº 606/1998).

 Dessa forma é possível entender que LER e DORT estão associadas as mesmas relações de doenças, sendo que enquanto a primeira pode ser ocasionada por diversas atividades não relacionadas à atividade laboral, como mexer no celular, por exemplo, a DORT refere-se apenas aquelas cuja causa tenham relação com a prática do trabalho. 

Para um olhar desatento a diferenciação dos nomes pode ser de menor importância, uma vez que no fundo tratam da mesma doença, contudo é importante ressaltar que esta diferenciação é imprescindível.

É notório que passamos grande parte de nossos dias no trabalho, porém não a sua totalidade, logo o trabalhador em seus momentos de descanso está exposto à realização de movimentos repetitivos em posição ergonômica incorreta e assim desenvolver LER a revelia de sua atividade diária.

 Se porventura nesses casos fosse diagnosticado incorretamente a DORT isso poderia a vir causar mudanças na organização do trabalho que modificariam a posição ergonômica corretajá existente e que não afeta a saúde do trabalhador, de modo que sem observar oscuidados necessários o quadro poderia vir a se agravar no futuro.

Mais do que diferenciações de nomes, apenas, LER e DORT estão relacionadas ao mesmo quadro de doenças. O indivíduo pode ser diagnosticado com: tendinite, tenossinovite, bursite, síndrome do túnel do carpo, e essas patologias podem estar dentro da classificação de LER ou DORT. Devido ao peso que o termo LER possui é comum no meio técnico a utilização em conjunto, ficando: LER/DORT, porém como foi exposto neste artigo, existe uma diferença conceitual importante entre as duas definições, sendo imprescindível o enquadramento correto para a adoção de medidas corretivas, preventivas e administrativas mais acertivas.

Referência: Ergotriade
 

Escritórios – Qual é a temperatura ideal?

Como melhorar o seu ambiente de trabalho.

Quando dizemos que “Ergonomia é tudo, tudo é ergonomia” muita gente deve ficar em dúvidas se ergonomia é tão abrangente assim. Por isso, estamos trazendo para você um tema que também é relacionado a Ergonomia que talvez você não sabia.
A temperatura ambiente do seu trabalho sempre é discutida entre você e seus colegas? Veja a seguir algumas dicas para melhorar essa situação:
1- Padronize
Padronize a temperatura ambiente. Coloque os valores em um papel com uma moldura bem bonita e pendure próximo ao ar condicionado.
2- Mudanças
Proponha uma mudança nos locais onde as pessoas sentam. Quem é chegado em um ar condicionado senta mais próximo do bicho e os mais friorentos ficam longe.

3- Vestimenta
Se você sente frio e vai trabalhar de regata só por que trabalha dentro de um escritório, não adianta colocar a culpa na galera do ar. O inverso também se aplica, camisetas de algodão são mais confortáveis.
4- Planeje os seus horários
Se você é o que sofre com calor e tem que fazer alguma atividade que envolva um esforço físico maior, tipo fazer uma inspeção dentro da fábrica, acessar áreas com lances de escada, organizar um arquivo morto, sei lá o que mais… Deixe isso para o período da manhã, onde o sol está mais baixo e a temperatura é mais amena, ou para o final da tarde. Já você que sente frio até debaixo do cobertor, faça o inverso, fique no escritório pela manhã onde teoricamente os caras pegão mais leve com o ar e saia nos horários mais quentes.
5- Cuide do seu corpo

Regras simples de saúde ajudam na questão do conforto térmico. Fazer atividades físicas regularmente, escolher um cardápio mais leve em dias quentes e se hidratar sempre ajudam na sensação do conforto térmico.

Referência: Ergotriade